Image Map
Blog: Anime Shoujo / Sigla: AS
Desde: 30/03/2012
Tema: Puella Magi Madoka Magica
Dona: Thays Ramos
Post: 1906
Comentários: 8500
Visualizações: 3.234.147

29.8.16

Fanfic - Sakura & Usagi: Última Batalha Contra Queen Metalia


Oieee amores 
Hoje vim cheia de felicidades com essa fanfic maravilhosa do nosso amigo Guilherme-kun aeee parabéns more por ter escrito uma fanfic tão boa e cheia de criatividades... Ela saiu em duas partes na revista, edições 17ª e 18ª e aqui a parte final(completa rs). 
Espero que gostem, aaah e se você tiver alguma fanfic ou texto relacionado a cultura japonesa e quer ver-la em nossa revista ou aqui no blog mande para a gente, eu ia gostar muuuito(entre em contato).

Bjinhos :**


Nome: Guilherme Cardoso
Idade: 23
Cidade/ES: Contagem/MG

Capturem a Carta Lua!

Parte I
– Mamo-chan, Mamo-chan!
– O que foi, Usako?
– Ah, não é nada... É só que eu estou feliz por estar em um encontro com o Mamo-chan <3
– Nós ainda teremos muito encontros. Agora que a Terra está em paz, podemos aproveitar cada segundo.
– Paz... Será que dessa vez nós realmente ficaremos em paz?
A garota loira, com penteado de bolinhos, Tsukino Usagi, cruzou os braços e inclinou levemente a cabeça.
– Não se preocupe, Usako. Está tudo bem agora.
O rapaz alto e cabelos negros, Chiba Mamoru, abraçou carinhosamente a namorada.
– Mamo-chan...
Os dois se beijaram apaixonadamente, sem se importar com os olhares das pessoas que passavam ao redor.
Eles caminhavam pelas ruas centrais de Tóquio, a caminho da famosa Torre de Tóquio. Eles, que haviam lutado tantas vezes para proteger este mundo, agora estavam aproveitando uma tarde como pessoas normais, como um casal normal... Bem, ao menos tão normal quanto possível.
Afinal, eles eram Tsukino Usagi, também conhecida como Sailor Moon, e Chiba Mamoru, que era o Tuxedo Kamen.
Após o apaixonado beijo, eles deram as mãos e continuaram caminhando pelas ruas movimentadas do centro.


Parte II
Ao mesmo tempo, em uma outra rua do centro de Tóquio.
– Eu posso fazer uma pergunta?
– Claro, vá em frente.
– Por que vocês estão aqui?
– Ora, não é óbvio? Nós não podíamos deixar a Sakura sair por aí sozinha com você, moleque.
– Mas isso, supostamente, era para ser um encontro...
– Não se preocupe, Sakura. Eu certamente irei filmar com perfeição a sua estreia no mundo do romance!
– Acho que a questão não é essa, Tomoyo...
Começando a lacrimejar, a garota de curtos cabelos castanhos e, que por alguma razão, usava um vestido bastante chamativo, Kinomoto Sakura, queixou-se.
– Não se preocupe, Sakura. Quando chegarmos na Torre, eu e a Tomoyo vamos ficar em outra mesa, certo?
– Isso mesmo!
– Eu já disse, o problema não é esse...
– Então qual é?
– Eu estou com vergonha!!
– Não seja tão tímida! Eu e a Tomoyo vamos apenas ficar assistindo tudo de camarote e filmando vocês.
A criatura amarela que falara, Kero, estava parcialmente escondido na bolsa da garota que segurava uma filmadora, Daidouji Tomoyo.
– Vamos, diga a ela, moleque.
– Dizer o quê?
– Que você não se importa com nossa presença.
– Mas eu me importo.
– O quê? Você quer brigar, é!? Está dizendo que somos um incômodo!?
– Você certamente é.
– Não diga essas coisas, Li. Nós todos somos muito bons amigos, certo?
– ...
Sem palavras, o garoto que, por alguma razão, vestia um traje típico chinês, Shaoran Li, apenas suspirou.
– Era para ser nosso primeiro encontro... Por que isso terminou assim?
– Você disse alguma coisa?
– Não é da sua conta, boneco de pelúcia.
– Quem você está chamando de boneco de pelúcia!?
– E tem algum outro boneco por aqui?
E assim, em meio a discussões sem sentido, os quatro seguiram caminhando até a Torre de Tóquio.


Parte III
Em uma base secreta, sob um certo fliperama, dois gatos, um preto e um branco, olhavam para um grande monitor diante deles.
– O que é isso?
– Eu não sei, mas não me parece nada bom. Luna, é melhor avisarmos a Usagi o quanto antes.
– Mas ela está em um encontro com o Mamo-chan.
– Eu sei, mas o sinal vem exatamente de onde ela está. E esse sinal... É algo que eu nunca vi antes.
– É verdade... O que será que pode ser isso?
– Devemos avisá-la...?
– Acho que não temos escolha...


Parte IV
– Entendido, Luna. Vamos verificar agora mesmo!
– Muito obrigada, Usagi. E desculpe por estragar o seu encontro...
– Não se preocupe! Eu e o Mamo-chan podemos continuar o encontro depois de resolvermos isso. Afinal, a paz da Terra é mais importante, não é?
– Usagi... Isso não soa muito confiante se você diz com lágrimas nos olhos...
– Mas... mas... era o meu precioso encontro...
Usagi caiu de joelhos.
– Usako, não chore. Além disso, não sabemos o que está gerando o sinal. Pode ser que não haja nada errado, não é?
– Sim, exatamente! É apenas uma precaução.
– Tudo... bem...
– Vamos indo, então? É melhor não nos transformarmos até que tenhamos certeza.
– Certo...
Levantando-se, Usagi secou as lágrimas com as mãos. Ela e Mamoru, em seguida, correram para o local indicado por Luna.


Parte V
Sakura parou de repente.
– O que foi, Sakura?
– Você também sentiu?
Perguntou Li, com uma expressão séria.
– Uma carta Clow? Mas como? Sakura já recuperou todas e as transformou em Cartas Sakura...
– Eu não sei, mas essa presença... com certeza é a de uma Carta Clow!
– Você consegue dizer de onde ela está vindo?
– Mais ou menos. A presença ainda está muito fraca, mas sinto que ela está ficando cada vez mais forte.
– Isso é estranho? Estamos nos aproximando dela, então?
– Eu não sei, Kero... Mas... é uma presença diferente.
– Diferente?
– Sim. É quase maligna, mas também não tenho dúvidas de que se trata de uma Carta Clow.
– O que faremos, Li?
– Não temos escolha, temos?
– É... eu acho que não...
Cabisbaixa, Sakura concordou.
Vendo o estado em que ela estava, Li tentou arrumar as coisas.
– Sabe... eu... eu também es-estou chateado com isso...
– Hum?
Ela levantou um pouco a cabeça.
– Eu... eu também... estava ansioso por hoje... por esse encontro...
– Li...
– E não é que o moleque pode dizer coisas legais de vez em quando?
– Ahhhh! O rosto da Sakura corando é a coisa mais fofa do mundo! Ainda bem que eu consegui filmar esse momento!
– Bom... então... vamos?
Corando, Li estendeu a mão para Sakura.
– Sim...
Com o rosto completamente vermelho, Sakura segurou a mão dele e eles seguiram na direção da presença que sentiam.


Parte VI
– Mamo-chan, você está vendo algo fora do normal?
– Na verdade, não. No entanto, posso sentir claramente uma energia maligna vinda deste lugar.
– Eu também sinto. Tem algo muito errado aqui, mas o que pode ser?
Parados no alto de um prédio na frente da Torre de Tóquio, Usagi e Mamoru olhavam ao redor, procurando alguma presença suspeita.
– Não sei, mas fique atenta, Usako.
– Sim!
Naquele momento,
*Bum!*
Uma explosão chamou a atenção deles.
– Na Torre? Isso não é nada bom!
– Mamo-chan, veja! Lá no alto!
Olhando para cima, Mamoru viu o que Usagi estava apontando. Uma bela mulher, usando um longo vestido prateado, estava parada no topo da Torre. Seu cabelo, também prateado, parecia refletir a luz da lua... Não, era mais como se ele a intensificasse! Seria um lindo espetáculo, se não fossem as explosões que ela estava causando.
O vestido. Ele parecia se desintegrar devido ao vento, mas cada fragmento que caía causava uma grande explosão. Se continuasse daquele jeito, logo as pessoas ficariam em sério perigo.
– Mamo-chan, vá evacuar as pessoas! Eu cuido dela!
– Entendido! Tome cuidado!
– Você também! Moon Crystal Power, Make up!
Ao dizer essa frase, Usagi transformou-se. Logo, ela estava vestindo uma roupa de marinheira.
– Ei, você! É errado causar destruição e dor a um local tão bonito quanto este! Você está fazendo as pessoas sofrerem e isso é imperdoável! Eu não sei quem você é, mas certamente irei impedi-la!
– Quem é você...?
Uma voz arrastada, quase fantasmagórica, veio em resposta.
– Sou uma guerreira com roupa de marinheira. Luto pelo amor e pela justiça. Sou Sailor Moon e punirei você em nome da Lua!
– Sailor... Moon...? Hahahahahahaha! Vai me punir em nome da Lua? Que patético! Hahahahaha
– Ei! Não ria dos nomes das pessoas! Que falta de educação!
– Mas é que isso é hilário... Como poderia uma guerreira da Lua me derrotar?
– Do que está falando?
– Ora, você ainda não entendeu, mocinha? Eu sou a própria Lua!
– O que? Mas a Lua está lá em cima...
Foi então que Usagi notou. Não havia Lua naquele céu noturno. Embora as estrelas estivessem ali, a lua havia desaparecido completamente. Não, isso não estava certo... A Lua não havia desaparecido. Na verdade, ela estava bem diante de seus olhos.
– Como... como isso é possível?
– Eu me tornei uma entidade ainda mais poderosa depois de receber ajuda deles... Agora eu posso andar por aí e destruir tudo o que eu quiser!
– Mas... isso não faz o menor sentido... Eu sou... a Princesa da Lua, não sou... Então como...?
– Princesa da Lua? Então você é a reencarnação da filha da Queen Serenity...? Que patético.
– Patético...?
– Eu respeitava a Queen Serenity, mas você...? Você não passa de uma terráquea sem graça. Não tenho razões para obedecê-la!
– Isso não...
Usagi estava em choque diante das palavras daquela entidade que dizia ser a Lua em pessoa.
– Já me cansei de falar com você. Morra!


Parte VII
– Você percebeu?
Li perguntou, já bastante preocupado.
– Sim, a Lua desapareceu. Como isso é possível?
– Eu não sei. Yue não deveria ser o guardião da Lua?
– Não diga tolices, moleque! Tanto Yue quanto eu mesmo, somos servos cujo dever é proteger a Sakura. Nossos poderes podem ser representados pela Lua e pelo Sol, mas o que nutre nossa magia é o poder das Cartas Sakura.
– Isso apenas deixa as coisas ainda mais complicadas. Então não temos ideia do que pode ter acontecido...
– Vejam! Olhem lá em cima!
Tomoyo apontou, sem parar de filmar, para o topo da Torre de Tóquio. Lá em cima estava uma figura prateada, aparentemente uma mulher. Seu vestido, também prateado, esvoaçava e soltava pequenos pedaços a medida em que o vento batia nele. Um desses pedaços acabou caindo na Torre, causando uma explosão.
– Isso é ruim! Muito ruim!
– Temos que tirar as pessoas de lá antes que novas explosões aconteçam!
– Não vai dar tempo! Sakura, use a carta Escudo para proteger a Torre!
– Sim!
Imediatamente atendendo o pedido de Kero, Sakura tirou o pingente em forma de Estrela que estava escondido no interior de sua roupa.
– Chave que guarda o poder da minha Estrela, mostre seus verdadeiros poderes sobre nós e ofereça à essa valente Sakura, que aceitou esta missão. Liberte-se!
Após dizer essas palavras, o pingente brilhou e transformou-se em um báculo mágico.
– Escudo!
Usando o báculo para libertar o poder da Carta, Sakura conseguiu envolver a Torre em seu escudo, protegendo as pessoas que lá estavam.
– Sakura! Tem outra pessoa lá em cima! E acho que ela está em perigo!
Tomoyo, que havia usado o zoom de sua câmera para dar um close no inimigo, avistou, quase sem querer, uma garota no prédio em frente a Torre de Tóquio. Ela estava vestida com roupa de marinheira e estava prestes a ser atacada pela criatura prateada.
– Alada!
Usando o poder da Carta para criar asas em seu báculo, Sakura voou o mais depressa possível na direção da garota, que estava prestes a ser atacada.
Chegando no último instante, Sakura conseguiu puxar a estranha garota para cima de seu báculo, escapando por pouco das garras da mulher prateada.
– Você está bem?
– Hum... Sim... Quem é você?
– Eu sou Kinomoto Sakura, e você?
– Tsuki... Sailor Moon.
– Sailor Moon? Isso é um apelido ou algo do tipo?
– Acho... acho que sim...
– Então, o que você estava fazendo ali?
– Eu... Eu estava... ESPERE AÍ! NÓS ESTAMOS VOANDO!?
– Bom, sim... hehehe.
– Como isso é possível? Parece mágica!
– Na verdade, é exatamente o que isso é. Magia.
– Incrível!
– Bom, Sailor Moon, agora eu vou te deixar em um lugar seguro. Eu preciso voltar para ajudar meus amigos.
– Ajudar seus amigos...? Vocês pretendem enfrentar aquela Maligna?
– Maligna? Do que você está falando?
– Daquela mulher prateada. Ela é um demônio.
– Err... Como posso te explicar isso... Ela não é bem um demônio, está mais para um espírito...
– Espírito? Ela é um fantasma!?
– Também não é bem isso...
– Ahhh!! Eu não estou entendendo nada!
– É melhor assim, acredite. Vou deixar você aqui.
– Espere!
– Hum?
– Você disse que ia me deixar em um lugar seguro, certo?
– Sim.
– Você diria que esse lugar é seguro, uma vez que aquela coisa esteve nos seguindo o tempo todo?
– O que? O QUÊ!?
Sakura, então, olhou para trás e viu a figura prateada as perseguindo.
– AAAAAHHHHHHH! Que droga! Por que essa não podia ser uma Carta fácil?
– Seu nome é Sakura, certo? Vamos pousar, Sakura-chan.
– Pousar? Eu não posso deixá-la em um lugar perigoso!
– Não se preocupe. Eu sou forte.
– Mesmo você dizendo isso...
– Confie em mim.
Por alguma razão, Sakura soube que poderia acreditar nas palavras daquela estranha garota com roupa de marinheira e dois bolinhos no cabelo. Sailor Moon. Aquele nome parecia encher seu coração de confiança e de esperança.
Tomada por este súbito sentimento, Sakura pousou em um prédio nas redondezas. A Torre de Tóquio ainda se fazia visível, mesmo após toda aquela perseguição, mas agora ela se encontrava a uma distância segura.
– Qual é o plano?
– E qual mais poderia ser? Temos que atacar—
– Sailor Moon! Está na escuta?
– Luna?
Interrompida no meio de sua frase, Sailor Moon olhou para o relógio comunicador em seu pulso.
– Que bom! Conseguimos mais informações sobre a leitura de antes!
– Sailor Moon? Está me ouvindo?
– Mercury!?
– Sim. Eu fiz alguns levantamentos estatísticos e algumas análises detalhadas da leitura que a Luna e o Artemis conseguiram. É quase certo que é algum tipo de resíduo colateral do Dark Kingdon, mas o problema é que não é só isso.
– Como assim?
– É estranho. É uma energia que nenhum de nós jamais viu. Parece até que é magia...
– Magia...?
– Sim. Como se a Magia e os resíduos do Dark Kingdom tivessem se unido em uma coisa só... De todo modo, estamos indo para aí! Até lá, tenha cuidado!
– Sakura-chan, parece que a coisa está pior do que eu pensava.
– Como assim?
– Eu não sou muito esperta, sabe? Mas eu percebi que você também tel algum tipo de poder. Acho que a única forma de derrotar essa coisa é unindo nossos poderes.
– Unir... nossos poderes...?
– Sim... Embora eu realmente não tenha ideia do que fazer...
– Isso não ajuda muito...
– Você tem ideia melhor...?
– ... Não...
As duas trocaram olhares. A princípio sérias, elas logo sorriram uma para a outra.
– Vamos ter que dar um jeito?
– Acho que sim.
– Já terminaram de conversar...?
Como se tivessem acabado de lembrar a razão pela qual estavam ali, Sakura e Sailor Moon olharam na direção da mulher prateada. Infelizmente, ela não era assim tão paciente e já havia lançado seus fragmentos explosivos na direção das duas.
Saltando cada uma para um lado, ambas conseguiram escapar das primeiras explosões. Entretanto, separá-las era justamente o plano do inimigo. Dividindo seu vestido em duas pontas, ela atirou novos fragmentos em ambas as direções.
Sailor Moon conseguiu se esquivar com dificuldades, mas Sakura acabou tropeçando e estava prestes a ser atingida por um dos fragmentos—
*Voosh!*
Uma rosa vermelha voou, interceptando o fragmento e afastando-o de Sakura.
– Quem é você, maldito...?
– Tuxedo Kamen!
A resposta veio da boca de Sailor Moon.
– Uma dama não deveria atacar outras dessa forma. É rude e uma grande deselegância.
– Calado! Eu não estou aqui para ganhar lição de moral...! Morra!
Dezenas de fragmentos foram atirados ao mesmo tempo. Mesmo saltando, Tuxedo Kamen não seria capaz de se esquivar.
– Tuxedo Kamen!!
O grito desesperado de Sailor Moon acabou sendo sobrepujado pelas palavras de uma outra pessoa.
– As quatro direções dos poderes sagrados. Deuses dos relâmpagos e tempestades elétricas, vide a mim!
Um relâmpago voou na direção dos fragmentos prateados, causando uma grande explosão.
– Li!
– Tudo bem com você, Sakura?
– Sim, ele me protegeu.
Sakura olhava na direção do homem de terno preto e cartola, que usava uma máscara branca para esconder sua identidade.
Tuxedo Kamen. Foi assim que Sailor Moon o chamara.
– Aiaiai, Tuxedo...
– Você disse alguma coisa?
– Não, nada não...
– Continuam a aparecer estorvos... Vou matar todos vocês!
– Como se eu fosse deixar! Tiara Lunar, Ação!
Atirando sua tiara, Sailor Moon tentou atingir a mulher prateada. No entanto, ela facilmente atirou para longe a tiara.
– Isso não vai funcionar contra mim!
– Não é possível!
– É a minha vez! Vento!
Uma corrente de vento soprou a mulher para longe e a prendeu em um vórtice.
– Isso vai segurá-la por algum tempo.
– Você, que poder é esse?
Tuxedo Kamen se aproximou de Sakura e perguntou.
– É o poder das minhas Cartas Sakura.
– Cartas?
– Sim. Aqui, veja.
Sakura tirou do bolso um conjunto de Cartas cor-de-rosa. Eram muito parecidas com cartas de Tarô, porém diferentes.
– Entendo. Cada carta possui um poder diferente e você é a usuária que pode controlar este poder, certo?
– Isso mesmo.
Shaoran respondeu antes mesmo de Sakura abrir a boca. Com uma cara feia, ele colocou-se entre os dois.
– Esse poder... Seria Magia?
– Sim...
– Tuxedo Kamen, agora há pouco a Mercury entrou em contato comigo. Ela disse que o sinal que a Luna viu era algo misto de Magia e um resíduo do poder do Dark Kingdon...
– Entendo...
Virando-se novamente para encarar Sakura e Shaoran, Tuxedo continuou,
– Jovem dama, você por acaso sabe se possui todas as Cartas?
– Hum...? Sim... Pelo menos até onde eu sei...
– Existiria a possibilidade de existir mais uma dessas suas Cartas Mágicas?
– Eu não...
– Existe.
Uma voz surgiu ao lado deles.
– Existe mais uma carta, mas ela deveria ter sido destruída muitos anos atrás.
– Kero?
– Um bichinho de pelúcia!? Que fofo!!
– Ei! Quem é que você está chamando de boneco, sua cabeça de bolinhos!
– Que rude!
– Ei, Kero, acalme-se. Continue o que estava dizendo.
– Muitos anos atrás, após ter criado todas as Cartas Clow, o Mago Clow decidiu usar seu poder para criar apenas mais uma carta. No entanto, ele foi ousado e decidiu criar uma carta cujo poder poderia ser comparado ao dos Deuses. Para isso, ele usou como elemento motriz do poder da Carta a própria Lua. Porém, o poder da Carta mostrou-se instável e incontrolável e, por isso, o Mago Clow decidiu destruí-la.
Continuação da revista:
– Ela não parece estar destruída para mim...
– Eu estou vendo, moleque! Mas isso é estranho...
– O que é estranho.
– A aparição desses dois.
Kero apontou para Sailor Moon e Tuxedo Kamen.
– Vocês nunca foram capazes de sentir o poder das Cartas Clow antes, então por que agora? Além disso, nós também já estivemos aqui várias vezes, mas a Carta Lua nunca se manifestou.
– É verdade. Foi aqui que Yue nos testou, lembra?
– Eu me lembro. Isso é mesmo muito estranho.
– Talvez nem tanto, meu jovem.
– Tuxedo Kamen?
– É verdade que até então nós nunca fomos capazes de sentir a energia dessas tais Cartas Clow, mas vocês também nunca sentiram a energia do Dark Kingdon, não é?
– Dark Kingdon? É verdade, eu nunca ouvi falar disso.
– Eu também não.
Shaoran e Sakura responderam com sinceridade.
– Acredito que a teoria formulada por nossas companheiras está correta. Essa criatura possui ambos os poderes.
– Mas, como isso é possível?
– Talvez...
– Você sabe de alguma coisa, bonequinho-chan?
– Eu já disse que não sou um boneco!
Kero gritou com a Sailor Moon.
– Talvez a energia desse tal de Dark Kingdon tenha se espalhado e reativado a Carta. Você se chama Sailor Moon, não é? Os poderes desse Dark Kingdon tem alguma relação com a Lua?
Sailor Moon e Tuxedo Kamen trocaram olhares preocupados.
– Temo dizer que sim. O Dark Kingdon tentou dominar o Reino da Lua.
– Você também disse que isso não passa de um resíduo do poder desse lugar, certo?
– Sim...
– Quem foi que o derrotou?
– Foi a Sailor Moon.
– Então é possível que exista uma maneira de vencermos.
– E qual é, Kero?
– Vocês duas precisam unir forças.
– Mas como fazemos isso, Bonequinho-chan?
– Essa garota me irrita...
– Eu gostei dela...
– Calado, moleque!
Kero e Shaoran se encararam, como se estivessem prestes a partir para a briga. Sakura interveio, tentando acalmá-los.
– Não briguem, não briguem...
– Hmpf, só no que consigo pensar é que a Carta foi contaminada pelo poder do Dark Kingdon, então a única forma de derrotá-la é libertá-la do controle deste poder e convertê-la em Carta Sakura.
– Mas, você mesmo disse que o tal Mago Clow, que criou a Carta, não pode controlá-la... Tem certeza de que é seguro?
– Sim, tenho certeza. Sakura é muito mais poderosa do que o Mago Clow foi, ela apenas não despertou todo seu poder ainda. Sinto que o mesmo vale para a cabeça de bolinhos aí.
– Você tem razão.
Tuxedo Kamen sorriu, o que tirou qualquer dúvida do coração da Sailor Moon.
– Você consegue, Sakura.
– Sim.
Ela e Shaoran trocaram olhares tímidos.
– Está pronta, Sakura-chan?
– Sim, e você, Sailor Moon?
– Sim!
As duas posicionaram-se para o ataque. Sailor Moon conjurou seu próprio báculo e fez o primeiro ataque.
– Moon Princess Halation!
A mulher prateada, ainda presa no vórtice criado pela Carta Vento, foi envolvida por uma luz dourada.
– Nããããããããão!!!!
O grito desesperado já não vinha mais da mulher, mas sim da sombra que se erguia sobre ela, a medida em que era expulsa. Por uma breve fração de segundo, um rosto familiar se formou na sombra, causando arrepios em Sailor Moon.
– Era a Queen Metalia...
– Sakura! É a sua vez!
Kero e Shaoran gritaram ao mesmo tempo.
– Sim! Volte a forma humilde que merece, Carta Clow!
Após essas palavras, a mulher prateada, agora com um sorriso gentil, foi sugada e presa em uma carta. Porém, ainda não havia acabado. Ainda com a carta no ar, Sakura mais uma vez entrou em ação,
– Carta criada pelo Mago Clow, abandone sua velha forma e transforme-se para seguir ao seu novo dono, em nome de Sakura!
A Carta girou no ar e tornou-se cor-de-rosa.
Exausta, Sakura tropeçou e foi amparada por Shaoran.
– Você usou muita magia de uma vez só.
– Ehehe, parece que sim.
– Idiota, eu fiquei... preocupado.


Parte VIII
Alguns minutos depois da batalha,
– Permita que eu me apresente adequadamente. Eu sou Chiba Mamoru.
Ele beijou a mão de Sakura.
– Mamo-chan!
– O que foi, Usako?
– Por que você está beijando ela? Por acaso você está apaixonado pela Sakura-chan?
– O que!?
Mamoru e Shaoran exclamaram ao mesmo tempo.
– AAAAAHHHHHH Eu sabia!! O Mamo-chan gosta mais da Sakura-chan do que de mim!!!
– Ei, Usako... Calma... Oi...?
– Eu sou Shaoran Li.
Ele disse com firmeza, encarando Mamoru.
– Muito prazer, Li-kun.
– Li... kun...?
Chocado, Li sentiu-se derrotado.
– Err... Eu sou Kinomoto Sakura.
– E eu sou o Kerberus, mas pode me chamar de Kero.
– É um prazer conhecê-los. Vamos, Usako. Apresente-se a eles.
Ainda chorando um pouco, Usagi fez o que Mamoru disse.
– Eu... sou Tsukino Usagi... É um prazer...
– Ah, mas quem diria que existiam pessoas como vocês aqui nessa cidade! É uma grande surpresa!
Kero afirmou de braços cruzados.
– Surpresa é um animalzinho de pelúcia fofinho poder falar e voar! Aposto que a Mako-chan ia adorar isso!
– Eu já disse que não sou de pelúcia!
– Ei, Usako... Acho que não podemos falar que isso é surpreendente... Afinal, temos a Luna e o Artemis...
– Ah, acho que você tem razão...
– Sabe, eu sou muito bom no kung fu...
– De onde veio isso, Li?
– Só queria deixar claro...
– Ora, ora... parece que o pirralho está com medo de perder para o rapaz ali...
– Quem é que está com medo? Seu boneco inútil!
– Você quer brigar, é!? Cai dentro!
– Li, Kero! Não briguem!!
Vendo os três, Usagi e Mamoru não puderam deixar de sorrir. Vendo o sorriso no rosto deles, Sakura e os demais acabaram fazendo o mesmo.
– Bom, acho que é hora de irmos, certo, Usako?
– Acho que sim.
– Também temos que ir.
– É verdade. Eu prometi ao Touya que voltaria para o jantar... mas eu já estou atrasada... E justo hoje que o papai ia fazer pudim...
– O que!? Seu pai ia fazer pudim!? E você só me diz isso agora?? Temos que ir depressa!
Puxando Sakura, Kero saiu voando na frente. A garota de cabelos castanhos e vestido espalhafatoso ainda conseguiu dar uma última olhada no casal às suas costas e acenar, despedindo-se.
Alguns metros depois,
– Ei, Li... Eu estou com a estranha sensação de que esquecemos de alguma coisa...
– Eu também estou com essa mesma sensação, mas o que poderia ser?
– Não se preocupem com coisas bobas! Vamos depressa, antes que o pudim acabe!

Parte IX
Não muito longe dali, um estranho caminhão se encontrava estacionado.
Do lado de fora, havia uma grande antena parabólica.
Dentro dele, uma grande tela de plasma ocupava uma das laterais por completo.
Diante da tela, uma garota de longos cabelos pretos, assistia ao vídeo da luta de Sakura e Sailor Moon com um sorriso suspeito no rosto.
Daidouji Tomoyo.
– Será que a Sailor Moon deixa eu fazer as roupas dela também?

Sakura torna-se má


Parte I
– Você tem certeza de que está bem, Sakura?
Kero perguntou, visivelmente preocupado.
– Hum? Ah, sim. Eu estou bem, não se preocupe, Kero.
– Bom, se você está dizendo, acho que está tudo bem.
– Não se preocupe, eu sou forte como um to... hã?
Naquele momento, Sakura foi assolada por uma súbita fraqueza e teve de se apoiar em uma parede para não cair de joelhos.
– Viu só!? Acho que foi um erro deixar o pirralho ir para casa, afinal!
– O Li precisava voltar para Hong Kong e, além disso, eu já disse que estou bem. Só estou cansada por ter usado tanta magia de uma vez só. Tenho certeza que eu ficarei bem depois de uma boa noite de sono!
– Hum... Acho que podemos deixar assim por hoje, mas amanhã deveríamos procurar o Yue. Eu sinto que ainda há alguma energia estranha no ar.
– Energia estranha?
Sakura perguntou enquanto sentava-se na cama.
– Sim. O aparecimento da carta Lua simplesmente não me parece certo. E também tem aquela garota com os bolinhos na cabeça...
– A Usagi-chan?
– Sim, ela mesmo. Ela possui um poder estranho, mas não me parece que ela seja má pessoa.
– É verdade. Sailor... Moon, não era? Eu gostaria de poder me encontrar com ela novamente... Uahhh
Sim, naquela tarde Sakura havia se encontrado e lutado lado a lado com uma linda garota loira com penteado em forma de bolinhos: Tsukino Usagi, também conhecida como Sailor Moon.
Juntas, elas haviam sido capazes de deter a força maligna que ameaçava Tóquio usando a Carta Lua como hospedeira. Foi uma batalha dura, mas elas conseguiram sair vitoriosas.
No entanto, após os acontecimentos na Torre de Tóquio, Sakura foi tomada por uma cansaço crescente. A princípio ela havia pensado se tratar de um simples esgotamento mágico, algo que sempre acontecia depois que ela convertia uma Carta Clow em Carta Sakura. Porém,
o fato de que o cansaço parecia aumentar cada vez mais fez com que a garota pensasse que talvez não fosse mesmo uma má ideia ir visitar Yue na manhã seguinte.
– O que será que está acontecendo?
Com esse sentimento de inquietação, Sakura logo adormeceu.


Parte II
Na escuridão da noite, Sakura e Kero dormiam profundamente.
Ao mesmo tempo, um brilho arroxeado fantasmagórico emergia do livro no qual estavam guardadas as Cartas Sakura.
Aos poucos, a figura espectral de uma mulher foi se formando, até que finalmente ela apareceu de pé em sua forma completa.
Sua figura esbelta, o longo cabelo ruivo e o vestido roxo davam a ela um ar de magnificência. Ela era certamente uma linda mulher.
Queen Metalia.
Ou o que restou dela, para ser exato.
Durante a batalha daquela tarde, ao perceber que sua derrota era iminente, Queen Metalia inseriu parte de sua alma naquela que havia se tornado a corrente que a prendera: a Carta Vento. Foi uma atitude desesperada e bastante arriscada, uma vez que ela não sabia qual era a extensão da magia da garota chamada Sakura. Mas era sua única chance. Sem sequer hesitar, ela dividiu sua alma, tornando-a ainda mais frágil do que o fragmento anterior, e infectou a carta mágica.
Entretanto, Queen Metalia logo percebeu que a magia da garota chamada Sakura era o que alimentava a carta e que ela poderia usar isso a seu favor. Aos poucos, a maligna sugou a energia de Sakura e fortaleceu o máximo que pode aquele fragmento de alma, o último resquício de sua própria existência e também do Dark Kingdom.
– Hum, parece que estou tão poderosa quanto possível. Não esperava que essa garotinha pudesse ser tão poderosa quanto a Sailor Moon.
Fazendo este comentário silencioso, Queen Metalia logo decidiu o que fazer.
– Se essa garota é tão poderosa quanto a Sailor Moon, ela é a hospedeira perfeita para mim! Com a magia dela e essas cartas mágicas, certamente poderei me vingar daquelas malditas guerreiras Sailor! Vamos, agora, torne-se minha, Kinomoto Sakura!!
Foi apenas por um segundo, mas uma grande energia maligna preencheu o quarto de Sakura.
Naquele exato momento, duas pessoas acordaram de sobressalto.


Parte III
Na manhã seguinte.
– Sakura... Ei, Sakura! Acorde!
– Hum... quem está aí?
– Do que você está falando? Não importa. Veja isso aqui!
– O que foi, criatura irritante?
– O livro! O livro das cartas está aberto!
– E o que tem isso?
– Você por acaso é idiota!? Ontem deixamos o livro fechado, então isso só pode significar que algo aconteceu ontem à noite enquanto dormíamos!
– Hum...
Enquanto Kero gesticulava e tentava desesperadamente procurar por algo fora do lugar, um pensamento se formou dentro da cabeça da garota.
(Hum... Parece que a possessão funcionou. E essa criatura idiota parece não fazer a menor ideia do que aconteceu! E o que é esse poder? Eu sinto a magia fluindo dentro do meu corpo! Com isso eu certamente conseguirei minha vingança!)
– Sakura! Você está me ouvindo!?
(Ah, droga. Acho que terei que fingir por enquanto. Não posso deixar que essa criatura suspeite.)
– Ah, desculpe. O que você estava dizendo mesmo?
– Você ainda está dormindo!? Eu disse que algo aconteceu ontem à noite! Veja, o livro das Cartas está aberto!
– Ah, bom, tem alguma coisa fora do lugar?
– Sim! E uma bastante preocupante!
– Hum?
– Veja isso! As cartas estão...
Kero mostrou as cartas a ela. Todas estavam com uma das bordas negras.
– O que é isso?
– Eu não sei, mas certamente não é nada bom! Deveríamos ir até o Yue agora mesmo!
(Acho que vou seguir essa criatura. Assim que estivermos do lado de fora será mais fácil acabar com ele.)
– O que estamos esperando, então?
– Você não vai tomar café da manhã?
– Eu não preciso disso que vocês chamam de comida.
– O que você está dizendo? Seu papai não ia fazer panquecas hoje?
– Eu não me importo. Venha, vamos logo.
– Acordou de mau humor, por acaso? Você não costuma recusar a comida do seu papai.
(Droga! Será que ele desconfiou de algo?)
– Bom, hoje eu não estou com fome. Vamos logo.
– Você está estranha hoje, Sakura. Será que ainda está cansada por causa da batalha de ontem?
– Sim! Isso mesmo! Ainda estou exausta!
– Hum... Será que as duas coisas estão relacionadas? Isso é realmente preocupante.
– Sim, então vamos logo.
– Tudo bem, vamos.
E assim, os dois saíram de casa.
Depois de andar por algumas quadras, Queen Metalia finalmente mostrou sua verdadeira face.
– Será que isso tem algo a ver com aquela garota, a Sailor Moon?
– Certamente. Ela é a culpada por toda essa desgraça que se tornou minha vida.
– Hum? Do que você está falando?
Virando-se para trás, Kero logo percebeu que havia algo errado.
– Sakura?
Os olhos da garota haviam mudado. Eles agora pareciam desfocados, completamente brancos. Além disso, uma espécie de estrela de quatro pontas havia surgido em sua testa. Aquela não era a Sakura que Kero conhecia.
– Não... Quem diabos é você?
– Não preciso me apresentar para alguém que não sobreviverá por muito mais tempo.
Erguendo a mão, Sakura/Queen Metalia liberou uma massiva quantidade de energia mágica em direção a Kero.
Sentindo o perigo, Kero tentou transformar-se e assumir sua verdadeira forma, mas, por alguma razão, a magia das cartas estava sendo bloqueada.
Sem conseguir assumir sua forma real, Kero foi atingido pelo súbito ataque e nada pode fazer. Caindo no chão, ele ainda conseguiu reunir forças para perguntar mais uma vez.
– Que... quem diabos... é você?
– Isso não importa mais, importa? Desapareça!
No instante em que Queen Metalia estava prestes a desferir o golpe final, um borrão preto passou a toda velocidade, resgatando Kero do que seria seu fim eminente.
Notando o que havia acabado de acontecer, Queen Metalia irritou-se profundamente.
– O que aquele maldito principezinho está fazendo aqui em uma hora dessas? Bom, não importa. Se ele está aqui, significa que aquela maldita Sailor Moon está por conta própria dessa vez e isso não é de todo ruim.


Parte IV
Na noite anterior.
Chiba Mamoru estava dormindo tranquilamente em seu apartamento quando um súbito sentimento de inquietação o fez acordar.
Suando frio, ele teve a sensação de que havia algo muito errado acontecendo.
Ainda atordoado, ele se assustou ao ouvir o som de seu telefone tocando.
Sem hesitar por um segundo sequer, ele atendeu, já sabendo quem estaria do outro lado da linha.
– Mamo-chan! Você sentiu isso?
– Então você também sentiu, Usako?
– Sim. Eu não sei bem o que houve, mas senti que uma grande energia maligna nasceu do nada. Estou com um aperto no peito. O que eu devo fazer, Mamo-chan?
– Acalme-se, Usako. Ainda precisamos ter certeza de que é realmente um inimigo. Por hora, tente não pensar muito nisso, tudo bem? Você e a Minako vão fazer compras amanhã, certo? Tente se divertir até que a Luna e o Artemis tenham mais informações.
– Umuu... Tudo bem... eu vou tentar não pensar nisso, mas...
– Eu sei. Tem realmente algo de muito estranho nessa energia que nasceu. Ela é muito familiar.
– Sim. É como se nós já tivéssemos a sentido antes.
– Sim... Mas não se preocupe. Amanhã eu irei investigar e estou certo de que a Luna também irá. Divirta-se com a Minako, tudo bem?
– Tudo bem...
– Usako?
– Sim, Mamo-chan?
– Eu amo você.
– Eu também te amo, Mamo-chan!
Assim, depois de acalmar o coração preocupado de sua amada, Mamoru desligou o telefone. Apesar disso, dentro de seu coração uma certa preocupação tornava-se cada vez maior.
– Essa energia... parece muito com a da garota que encontramos hoje à tarde.


Parte V
Após salvar a pequena criatura semelhante a um boneco de pelúcia de um ataque mortal apenas há alguns instantes, o misterioso homem mascarado, trajado com um smoking preto, cartola e capa, Tuxedo Kamen, dirigiu-se ao frágil companheiro em suas mãos.
– Você é o Kero, certo? Aquela era mesmo sua amiga Sakura?
– Você... o cara de ontem. Tuxedo Kamen, não é?
– Sim, exatamente. Então, aquela era mesmo a Sakura?
– Eu não... eu não sei. Por fora é certamente a Sakura, mas aquele jeito de falar... aquela magia... parecem pertencer a alguém completamente diferente.
– Como eu pensava. Então aquele corpo pertence mesmo a ela. Por acaso você notou algo estranho além do comportamento dela?
– Hum... As cartas... elas estavam com uma das bordas enegrecidas.
– Energia maligna, talvez?
– Provavelmente... Mas como?
– A energia que senti... Aquilo é coisa da Queen Metalia, sem dúvidas.
– Queen Metalia...? Esse não é o nome daquela coisa que estava controlando a Carta Lua?
– Sim, exatamente. Parece que de algum modo ela conseguiu sobreviver a batalha de ontem. Se eu tivesse que arriscar, diria que ela inseriu parte de seu fragmento de alma naquela carta que a Sakura usou para aprisioná-la. Mas não sei como ela poderia conseguir poder o bastante para se apossar do corpo da Sakura. Pelo que pude ver ontem, ela é muito forte.
– Hum... Há uma forma. As cartas são alimentadas pela magia da Sakura. Se essa tal Queen Metalia estava escondida em uma das cartas, é possível que ela tenha se fortalecido ao roubar a magia que deveria ser canalizada para as cartas. Isso também explicaria as bordas pretas. Acredito que a energia maligna dela tenha se espalhado para as demais cartas.
– Isso não parece muito bom, não é?
– É algo verdadeiramente preocupante. Algo assim jamais aconteceu antes, exceto pela carta Lua, então não sabemos muito bem com o que estamos lidando aqui.
– Nós, por outro lado, conhecemos muito bem a Queen Metalia. Mais do que gostaríamos.
– Então você sabe o que ela está planejando?
– Originalmente ela queria transformar nosso mundo em um lugar de escuridão e maldade, mas agora acho que os planos dela tem mais a ver com vingança.
– Vingança?
– Sim. Aquilo que estava na carta ontem e que agora está dentro do corpo da Sakura não passa de um fragmento de alma, algo que escapou ileso quando a derrotamos. O poder dela é
muito menor do que já foi um dia, por isso ela precisa se unir a outra entidade mágica para agir. Primeiro foi a carta de ontem e só isso já causou bastante problema. Agora ela conseguiu se unir a uma pessoa ainda mais poderosa. Temo que o objetivo dela seja se vingar da Sailor Moon.
– Sailor Moon?
– Sim, e temos que nos apressar. Quando a Usako ver a Sakura, ela certamente ficará feliz e baixará a guarda. Temos que avisar a ela que a Queen Metalia está controlando o corpo da Sakura!


Parte VI
– A aparição do Príncipe certamente não poderia significar algo bom. Tenho que me apressar ou ele certamente terá tempo de alertar a Sailor Moon sobre ter algo errado com o corpo dessa garota. Eu preciso encontrá-la o mais rápido possível.
Queen Metalia comentou depois de andar por algumas quadras, indo em direção ao distrito comercial.
Após ver seu plano de eliminar a única testemunha de seu terrível plano de vingança ser frustrado pela súbita aparição do Príncipe Endymion, Queen Metalia decidiu focar todo seu esforço na busca por aquela que mais odiava.
Embora ela soubesse que conseguiria atrair a atenção das guerreiras Sailor ao causar uma grande confusão ali mesmo, ela também estava consciente de que isso levaria um tempo do qual ela já não dispunha.
Ela precisava agir rápido.
Felizmente, a sorte estava ao seu lado.
Para começar, Queen Metalia logo percebeu que tinha acesso a todas as memórias da garota cujo corpo ela havia dominado e, portanto, agora também conhecia a verdadeira identidade de sua inimiga: Tsukino Usagi.
Além disso, o Universo parecia estar trabalhando a seu favor, pois aquela que ela buscava estava logo ali, olhando para uma vitrine do outro lado da rua!


Parte VII
Ao mesmo tempo.
– Usagi! Veja esse vestido!! É lindo, não é!? Aposto que eu ficaria linda nele em minha estreia como idol, não acha!?
– Minako-chan, você está se deixando levar...
– Não se preocupe com esses pequenos detalhes. Vamos, vamos, ainda temos muitas lojas para visitar!!
– Ai, ai! Não me puxe assim de repente!! Mas eu só não entendo por que tivemos que vir até aqui. Nós não poderíamos ter ido fazer compras no distrito comercial de Juban?
– Ah, mas nós sempre vamos até lá, não é? Provavelmente já vi todas as lojas. Preciso dar uma diversificada!
Duas garotas loiras, uma com penteado de bolinhos e outra com um lindo laço vermelho: Tsukino Usagi e Aino Minako, caminhavam enquanto olhavam as vitrines de cada uma das lojas de roupas pelo caminho.
Qualquer um que as visse assim, logo pensaria que ambas eram apenas duas garotas normais do ensino fundamental, mas a verdade é que ambas eram heroínas que combatiam o mal e protegiam a paz: Sailor Moon e Sailor Venus, respectivamente.
As duas seguiam conversando alegremente, embora Usagi carregasse uma grande preocupação em seu peito. A energia que ela havia sentido na noite anterior... Ela ainda não tinha nenhuma pista do que poderia ser. Luna e Artemis também não haviam obtido sucesso em descobrir do que se tratava e estavam até agora no centro de comando. Seu amado, Chiba Mamoru, havia dito que ia dar uma olhada por si mesmo, mas também não tinha entrado em contato ainda.
Minako, é claro, já há muito havia notado que algo não parecia certo com sua amiga, mas decidira manter-se quieta, pois sabia que falar sobre o assunto apenas faria com que Usagi se preocupasse ainda mais. Portanto, ela decidiu agir como se nada estivesse acontecendo, na esperança de que a amiga pudesse aproveitar aquele passeio.
Infelizmente, a vida de Guerreiras Sailor não é assim tão simples.
– ... gi!
(O que poderá ter sido aquela energia...? Será que a Sakura-chan está bem?)
– Usagi!!
Distraída por causa de sua crescente preocupação, Usagi não percebeu a mudança que ocorrera ao seu redor.
Uma forte corrente de vento veio voando na direção das duas garotas, mandando-as contra a parede da loja mais próxima!
Minako, que havia percebido a mudança no vento e que também havia sentido a explosão de um poder que ela desconhecia, lançou-se sobre Usagi, para proteger a amiga. Como resultado, ela acabou recebendo a maior parte do dano causado pela estranha corrente de vento, perdendo a consciência.
– Minako-chan!! Minako-chan!! Acorde!!
Desesperada, Usagi olhou ao redor, a procura daquele que as atacou. No entanto, o que ela viu a surpreendeu.
Parada do outro lado da rua estava a amiga que ela havia feito apenas um dia antes, Kinomoto Sakura. Entretanto, apenas com um olhar Usagi logo percebeu que aquela garota era muito diferente da Sakura que havia conhecido na tarde anterior.


Parte VIII
Um pouco antes.
– É ela! Aquela garota com penteado esquisito, tenho certeza que ela é a Sailor Moon! Sendo assim, a garota ao lado dela deve ser uma das outras Guerreiras. Ela pode ser um incômodo, então acho melhor me livrar dela o mais depressa possível.
Incapaz de controlar sua excitação por finalmente ter a chance de concretizar sua vingança, Queen Metalia gargalhou.
Revirando as memórias de Sakura, a quem havia possuído, a maligna finalmente encontrou a chave para liberar toda a magia adormecida que residia naquele corpo.
Tateando a região do peito, ela logo encontrou o que estava procurando.
Uma chave em forma de estrela que havia sido transformada em pingente. Um bem precioso que Sakura sempre carregava com ela.
– Então essa é a chave, hum? Não me parece nada demais.
Novamente buscando nas memórias da garota, Queen Metalia descobriu qual era o feitiço para libertar o poder adormecido. Com sede de vingança e uma pontada de excitação, ela recitou as palavras mágicas.
– Chave que guarda o poder da minha Estrela, mostre seus verdadeiros poderes sobre nós e ofereça à essa valente Sakura, que aceitou esta missão. Liberte-se!
A chave então transformou-se em um báculo mágico e Queen Metalia pôde enfim sentir todo o poder que Sakura possuía.
– É ainda mais impressionante do que eu imaginava! Com este poder eu certamente poderei me vingar daquela maldita garota! Mas antes, eu preciso me livrar do estorvo que é aquela garota com ela. Acho que essa carta vai servir... Se eu estiver certa e aquela garota for mesmo uma das Guerreiras Sailor, tenho certeza de que ela vai tentar proteger a Sailor Moon.
Escolhendo uma das cartas cor de rosa que havia levado consigo, Queen Metalia não pensou duas vezes antes de usar seu mais novo poder.
– Vento!
Saindo da carta, uma corrente sobrenatural soprou na direção das duas garotas loiras do outro lado da rua. Assim como previsto, a garota com laço vermelho na cabeça se lançou à
frente da amiga, recebendo a maior parte dos danos e, devido ao choque, perdendo a consciência.
Incapaz de conter o sorriso que se formava em seu rosto, Queen Metalia logo percebeu que seu olhar havia ido de encontro ao da garota loira ainda acordada, aquela que era sua maior inimiga e o alvo de sua vingança. Ali, bem diante dela, estava uma Sailor Moon atônita, que não conseguia compreender o que havia acontecido.
Isso porque na visão de Tsukino Usagi, aquela que havia acabado de atacar sua companheira não era outra senão Kinomoto Sakura, a amiga que ela fizera apenas na tarde anterior.


Parte IX
– Aquela é... a Sakura-chan? Mas por que ela está atacando?
Confusa, Usagi não soube responder. Ela então decidiu buscar respostas diretamente com a fonte.
– Sakura-chan!! O que você está fazendo?
Do outro lado da rua, veio a resposta.
– O que você acha que eu estou fazendo? Eliminando um estorvo, é claro!
– Um estorvo!? Do que você está falando, Sakura-chan?
(Hum, parece que ela ainda não sabe de nada. Isso é ótimo!)
Enquanto sorria de forma maquiavélica e preparava seu próximo movimento, Queen Metalia se deliciava pelo fato de que sua inimiga parecia não saber que algo havia acontecido com a “Sakura-chan”.
– Você vai morrer agora, Sailor Moon!! Disparo!
Liberando o poder de mais uma carta, um rápido disparo voou em direção a uma ainda atônita Usagi.
Quando ela percebeu o que estava para acontecer, já era quase tarde demais. Em um momento de desespero, ela conseguiu atirar-se para o lado, desviando por muito pouco do tiro mágico. Atrás dela, a vitrine atingida se despedaçou, lançando estilhaços em várias direções.
– Minako-chan!!
Usagi preocupou-se com a amiga, que seguia desacordada.
(Se isso continuar, pessoas inocentes vão acabar se machucando! Eu não sei o que houve com a Sakura-chan, mas preciso tirá-la daqui!)
Ainda confusa, mas ciente de que não poderia ficar em um local com tantas pessoas, Usagi levantou-se e saiu correndo em direção a algum lugar que tivesse menos pessoas.
– Você não vai fugir assim tão facilmente! Alada!
Atrás dela, Sakura seguia tentando atingi-la com seguidos disparos, mas todos erravam o alvo por milímetros.
Enquanto corria, Usagi seguia tentando conversar com Sakura.
– Sakura-chan! Por que você está me atacando!? Eu fiz algo ruim para você?
– Algo ruim!? Você destruiu tudo que eu tinha!
– Eu não sei do que você está falando, mas eu não quero lutar contra você! Nós somos amigas!!
– Se você não quer lutar, então morra!!
Sakura acelerou e atingiu Usagi nas costas, fazendo-a cair de joelhos.
– Você é patética. Mesmo nessa situação, você se recusa a se transformar? É mais idiota do que pensei.
– Eu não sei do que você está falando! Por que está fazendo isso, Sakura-chan!?
– Porque você é irritante.
– O que foi que eu fiz?
– Eu já disse, não disse? Você destruiu tudo que eu tinha! E agora farei você e todos ao seu redor pagarem com suas vidas!! Espada!
Sakura lançou-se em um ataque mortal. Usagi mais uma vez conseguiu se esquivar por uma questão de milímetros, mas dessa vez não conseguiu sair completamente ilesa. Sangue escorria pelo corte feito em seu braço esquerdo.
– Aiiii!! Isso dói!!
– Não se preocupe. Isso é apenas o começo! Ainda farei você sentir muita dor antes de matá-la!
(No entanto, parece que vou ter que usar algo mais indireto. Parece que essa maldita garota está começando a tentar recuperar o controle de seu corpo e me atrapalhando a atingir a Sailor Moon.)
– Sakura-chan, eu não sei o que aconteceu, mas por favor me escute! Nós não precisamos lutar uma contra a outra!
– Calada! Experimente desviar disso aqui! Fogo!
Invocando o poder de uma das cartas mais poderosas do arsenal de Sakura, Queen Metalia bloqueou a rota de fuga de Usagi, prendendo ambas em um círculo de chamas mágicas.
– Agora você não tem para onde fugir! É o seu fim, Sailor Moon!!
Lançando-se em um novo ataque mortal, Queen Metalia preparava-se para atingir a região abdominal de Usagi, de modo a causar uma dor excruciante sem, no entanto, matá-la.
No entanto...
*Voosh!*
Uma sombra passou rapidamente bem diante dos olhos de Sakura/Queen Metalia.
– Você outra vez! Maldito príncipe!
No momento em que Usagi estava prestes a ser atingida, a garota foi salva por um homem usando smoking, cartola e uma máscara, Tuxedo Kamen.
– Tuxedo Kamen!
– Desculpe por deixá-la esperando.
Saltando por sobre as chamas, Tuxedo Kamen carregou Usagi em seus braços e abriu distância de Sakura/Queen Metalia.
– Não vou deixar que fujam assim tão facilmente! Alada!
Sakura/Queen Metalia imediatamente começou a persegui-los.
Percebendo a desvantagem em que estavam, Tuxedo Kamen decidiu que era hora de uma retirada estratégica. Tirando do interior do smoking uma pequena esfera metálica, ele a atirou em direção a garota que os perseguia.
– Como se algo assim fosse me impedir! Espada!
Ao usar a lâmina para atingir a esfera metálica, Queen Metalia imediatamente percebeu seu erro. Assim que foi atingida, a esfera explodiu, liberando uma grande quantidade de fumaça branca, obstruindo completamente sua visão.
– Maldição! Vento!
Usando o poder da carta, Queen Metalia conseguiu afastar a fumaça, mas já era tarde demais. Os dois já haviam desaparecido.


Parte X
Em um depósito qualquer.
– Tuxedo Kamen! O que aconteceu com a Sakura-chan?
– Quanto a isso, temo que...
– Algo se apossou do corpo da Sakura!
De dentro do smoking de Tuxedo Kamen, uma vozinha surgiu. Era uma voz da qual Usagi se lembrava.
– Esse poderia ser... o Kero-chan?
– Eu mesmo! Bom te ver, Usagi.
Erguendo a mão em um cumprimento, Kero sorriu rapidamente, antes de assumir uma postura preocupada com os braços cruzados.
– O que você está fazendo com o Tuxedo Kamen?
– Eu o salvei pouco tempo atrás. A Sakura-chan estava tentando atacá-lo.
– A Sakura-chan?
– Sim, parece que algo se apossou do corpo dela. Ela não está agindo como ela mesma.
– Se apossou do corpo dela?
– Sim, exatamente.
– Usako, temo que a energia que sentimos ontem... possa estar relacionada a isso de algum modo.
– Mas o que pode ter acontecido com a Sakura-chan? Kero-chan, você notou algo de estranho que possa ter acontecido?
– Hum... não sei ao certo... Ah! As cartas!
– Cartas? Aquelas que a Sakura-chan usa?
– Sim, essas mesmas. Por alguma razão, elas estão com as bordas escurecidas desde ontem à tarde.
– Bordas escurecidas? O que pode ter acontecido?
– Ontem a Sakura-chan usou uma das cartas para restringir os movimentos da Queen Metalia, certo? Talvez ela tenha usado essa chance para esconder um fragmento de sua alma na carta, assim como fez com a Carta Lua.
Tuxedo Kamen expressou sua teoria.
– E enquanto dormíamos, ela usou essa chance para tomar o corpo da Sakura!! Se for algo assim, explicaria porque eu não consigo assumir minha verdadeira forma! Se tem outra pessoa controlando a magia da Sakura, então a magia está fluindo de forma diferente também nas cartas.
– Então a Sakura-chan não está agindo como ela mesma por que...
– Porque o corpo dela está sendo controlado pela alma da Queen Metalia!!
– Isso é terrível! Eu preciso ajudá-la, mas não quero ter que lutar contra a Sakura-chan!
– Acredito que você não tenha escolha, Usako. Você é a única que pode salvá-la. Você precisa expulsar a alma da Queen Metalia do corpo da Sakura-chan!
– Sim, por favor. Ajude a Sakura.
– Eu...
– Tenha confiança, Usako. A Sakura-chan precisa de você.
– Tu... tudo bem! Eu vou me esforçar!
– Muito bom! Estamos contando com você!
– Certo, então é hora de você se transformar, Usako!
– Sim!
Respirando fundo, Usagi tocou o broche que sempre levava consigo.
– Moon Crystal Power, Make up!
Ao proferir essas palavras, Tsukino Usagi transformou-se em uma guerreira com uniforme de marinheira, Sailor Moon!
– Kero-chan, venha comigo. Tuxedo Kamen, por favor cuide da Minako-chan!
– Entendido!
– Tenha cuidado, Sailor Moon!
– Sim! Vamos, Kero-chan! Vamos salvar a Sakura-chan!
E assim, todos saíram correndo em direção ao exterior do depósito.
O que encontraram do lado de fora foi o pior cenário possível.


Parte XI
Voltando um pouco no tempo.
Após dissipar a cortina de fumaça, Queen Metalia havia perdido seus alvos de vista.
– Maldição! Eles conseguiram fugir!
Amaldiçoando o aparecimento do príncipe, que mais uma vez surgia para atrapalhar seus planos, Queen Metalia pôs-se a pensar em um modo de lidar com a situação.
(Eu poderia criar uma confusão e atraí-los para fora, mas isso seria muito trabalhoso. Além disso, parece que quando a Sailor Moon está longe, a força de vontade dessa garota enfraquece. Talvez eu devesse usar essa oportunidade para criar um cenário perfeito. Afinal, tenho certeza de que eles eventualmente irão sair. Agora que o príncipe apareceu, estou certa de que ele irá alertar a Sailor Moon de que há algo de errado com essa garota.)
Sorrindo de forma maquiavélica, Queen Metalia deu início a reconstrução do cenário para a batalha final que se aproximava.
– Primeiro, Bosque!
Ao liberar o poder da carta, árvores começaram a se formar por todos os lados, embora não fosse o bastante para remodelar a paisagem da forma como desejava Queen Metalia. No entanto, tem posse das memórias de Sakura mostrou-se uma arma bastante útil.
– Agora é essa aqui. Chuva!
Com a Chuva, as árvores criadas pela Carta Bosque começaram a se multiplicar, rapidamente criando uma floresta densa.
(Agora, basta esperar. Isso certamente vai limitar os movimentos deles. E como eu controlo estas cartas, posso me mover sem problemas!)
– Vamos, apareça, Sailor Moon. Estou esperando por você.
Sorrindo, Queen Metalia não teve que esperar por muito tempo.


Parte XII
– O que é isso?
– O que houve com a paisagem?
– Isso parece ser trabalho da Carta Bosque! Ela também deve ter usado a Carta Chuva para aumentar o poder do Bosque.
– Então, basicamente, isto é uma floresta?
– Sim, exatamente.
– Uma floresta? Então há animais selvagens por aqui!? Que medo!!
– Não, não se preocupe. A Carta Bosque costuma ser bastante gentil, mas se empolga um pouco quando usada em conjunto com a Chuva. Ela não é perigosa, mas...
– Mas...
– Com todas essas árvores, nossos movimentos passam a ser restritos. Mas aquela criatura no corpo da Sakura... Ela tem o controle da carta, então consegue se mover livremente!
– Isso não me parece bom!
– E não é. Devemos proceder com cautela. Por hora, vamos manter o plano original. Eu vou atrás da Minako, então vocês dois devem fazer todo possível para salvar a Sakura-chan.
– Entendido!
– Vamos salvar a Sakura-chan!
– Sailor Moon, por favor tenha cuidado.
– Não se preocupe, eu vou protegê-la!
– Por favor, Kero-san.
Após esta breve conversa, eles se separaram em dois grupos. Tuxedo Kamen foi em direção ao centro comercial e Sailor Moon e Kero em direção ao coração da floresta.
Após algum tempo de caminhada, Sailor Moon notou algo estranho.
– Estamos andando há algum tempo, mas não saímos da floresta. O poder da Carta Bosque é tão grande assim?
– Na verdade não. Mesmo com a ajuda da Carta Chuva, o Bosque não deveria poder criar uma floresta assim tão extensa. Será que...
– O que foi? O que você acha que aconteceu?
– Talvez ela tenha usado a Carta Volta.
– Volta?
– Sim, é uma Carta que liga um ponto a outro, criando uma espécie de loop espacial. É como se estivéssemos simplesmente andando em círculos.
– Parece que vocês descobriram mais rápido do que eu havia previsto. Você estar com a Sailor Moon é algo que estava fora dos meus planos, criatura idiota.
Uma voz surgiu atrás deles.
Sentada no galho de uma das árvores, Sakura/Queen Metalia sorria de forma ameaçadora.
– Sakura-chan! Não, Queen Metalia! Você deturpou o corpo e a magia da Sakura-chan, mas isso acaba aqui! Porque eu, Sailor Moon, punirei você em nome da Lua!
– Não me faça rir, Sailor Moon! Olhe ao redor! Eu estou mais poderosa do que nunca! Você não pode me derrotar enquanto eu dominar este corpo!
– Este corpo não pertence a você! Nos devolva a Sakura-chan!
– Como se eu fosse fazer isso! Flecha!
Várias flechas foram atiradas de uma só vez na direção de Sailor Moon e Kero.
Saltando na direção do galho mais próximo, Sailor Moon mal teve tempo de se esquivar da primeira saraivada antes que a segunda viesse em sua direção.
Indo de galho em galho, ela ia conseguindo evitar os ataques, sempre por poucos milímetros.
(Isso é estranho... Embora ela tenha a vantagem geográfica, os ataques parecem sempre errar o alvo por uma questão de milímetros. Será que a Sakura está...)
Kero pensou enquanto voava para longe das flechas.
Vislumbrando a remota possibilidade de que o subconsciente de Sakura estivesse, de algum modo, tentando atrapalhar os planos da criatura que havia possuído seu corpo, Kero gritou.
– Sakura! Se você ainda estiver aí dentro, controle o poder das Cartas! Crie uma oportunidade para a Sailor Moon!
– Não diga bobagens, criatura idiota! Não há como aquela garotinha conseguir suprimir meu poder!
– Você está enganada! O poder do amor e da justiça sempre se sobressai diante da crueldade! A Sakura-chan é uma garota boa e gentil! Se ela ainda estiver acordada aí dentro, tenho certeza de que ela conseguirá deter você, Queen Metalia!
– Como você é tola, Sailor Moon! Poder do amor e da justiça? Não me faça rir! Tudo que importa é o poder, não importa de que tipo! Primeiro, eu tentei roubar seu Lendário Cristal de Prata, mas isso só me levou a destruição! Maldito seja o Milênio de Prata! Se eu tivesse esse poder em mãos, nada nem ninguém poderia me deter! E agora, eu possuo um poder tão grande quanto o desse cristal! A magia dessa garota é tão poderosa quando a do seu cristal idiota! Ela vai permitir que eu consiga minha vingança contra você! Tudo acaba aqui!
Queen Metalia então pegou duas das cartas de Sakura e as mostrou para Sailor Moon. Aquela, aparentemente, era sua jogada definitiva!
– Não pode ser! Ela está planejando usar as Cartas Fogo e Grande dentro da floresta criada pela Carta Bosque!? Essa é a pior situação possível! Temos que a impedir agora mesmo!!
– Vocês não terão tempo para isso! Bosque, prenda-os!
Seguindo o comando daquela que controlava as cartas, os galhos das árvores começaram a se mover e prenderam Sailor Moon e Kero em um forte abraço.
– Agora, queime e sinta toda a dor que me causou, Sailor Moon! Fogo! E também, Grande!
– Aaaaaahhhhhh!!!
Diante do mar de chamas que se formava a sua frente, Sailor Moon não pôde fazer nada além de gritar. Seria este o fim?
– Adeus, Sailor Moon! Hã...? O que está acontecendo!?
O sorriso desapareceu do rosto da Queen Metalia. As chamas que ela havia invocado para acabar com a vida de sua inimiga estavam agora rodeando a Sailor Moon, sem, no entanto, chegar a tocá-la.
No centro do círculo de chamas, uma luz azulada emanava ao redor de Sailor Moon e Kero.
– O que é isso? O que é essa luz protegendo a Sailor Moon!? Será o Lendário Cristal de Prata?
Sem entender, Queen Metalia levou a mão a cabeça, aparentemente um pouco zonza.
– Essa é... a Carta Escudo!!
– O que!? Como é possível que isso seja o poder de uma carta? A Sakura-chan não está...
– Acho que não totalmente. De algum modo, acho que a alma da Sakura está lutando contra a possessão! Ela deve ter recuperado o controle apenas por um momento e usado o poder do Escudo para nos proteger!
– É verdade!?
– É bastante provável!
– Então a Sakura-chan também está lutando?
– É claro que sim! Ela não é assim tão fraca para ser derrotada sem nem ao menos lutar!
– Não é possível! Essa maldita garota está tentando tomar o controle do corpo! Ahhh!!!!
Agonizando, Queen Metalia gritou enquanto parecia perder o controle do corpo de Sakura.
– Sailor Moon! Essa é sua chance! Ataque agora!!
Aquela que gritou já não era mais a maligna rainha do Dark Kingdom, mas sim a gentil e corajosa Card Captor com quem Sailor Moon havia lutado na tarde anterior.
– Sim! Queen Metalia, você causou muita dor e sofrimento à Sakura-chan, mas agora você será derrotada pelo poder do amor e da justiça! Sou uma guerreira com roupa de marinheira. Luto pelo amor e pela justiça. Sou Sailor Moon e punirei você em nome da Lua!! Moon Princess Halation!
Invocando seu próprio báculo, Sailor Moon lançou seu ataque em direção ao corpo de Sakura.
Atingida pelo brilho sagrado, o fragmento de alma da Queen Metalia, que havia possuído o corpo de Sakura, foi expulso e começou a se contorcer no ar. Enquanto isso, Sakura caiu no chão, desacordada.
– Maldita seja, Sailor Mo—
Sem tempo sequer para completar sua maldição, o fragmento de alma desapareceu no ar, purificado pela luz da lua.
Sailor Moon e Kero imediatamente correram em direção ao corpo inerte de Sakura.
– Sakura!!
– Sakura-chan!! Tudo bem com você?
Entretanto, não houve resposta.
– Ela não responde!! O que faremos, Kero-chan!?
– Eu não sei!!
Naquele momento.
– Sailor Moon! Kero-san! Vocês estão bem?
– Tuxedo Kamen! Você voltou! Como está a Minako-chan!?
– Não se preocupe. Eu a deixei em um local seguro e vim correndo, mas parece que a luta já terminou.
– Sim, mas a Sakura-chan está... a Sakura-chan está...!
Aproximando-se, Tuxedo Kamen verificou a condição de Sakura.
– Não se preocupem, vocês dois. Ela está apenas dormindo.
– Dormindo?
– Sim. Ela deve estar muito cansada depois de tudo que aconteceu.
– Faz sentido. Pode não ter sido de forma consciente, mas a Sakura usou muita magia.
– Vamos levá-la para casa e deixá-la descansar, tudo bem?
– Não se preocupem com isso. Agora que a magia da Sakura voltou ao normal, eu mesmo posso levá-la de volta!
Após dizer isso, as asas de Kero tornaram-se maiores e cobriram todo seu corpo. Após alguns instantes, ele voltou a aparecer, mas agora com a forma de um grande tigre alado.
– Uwaaaa!!! O que é esse monstro que comeu o Kero-chan!?
– Que rude! Sou eu, Kero!
– Kero-chan!? Por que você está com essa forma? Você não era um bichinho de pelúcia movido pela magia da Sakura-chan!?
– Para alguém que se diz uma guerreira, você é bastante rude, sabia!? Essa é minha verdadeira forma! Eu sou Kerberus, um dos guardiões das Cartas Sakura!
– Uaaau! Por essa eu não esperava!
– Tudo bem deixa-la com você, Kerberus-san?
– Sim. Não se preocupem.
– Tudo bem, então. Mas fique com isso. Estou certo de que a Sailor Moon ficará preocupada até que a Sakura-chan acorde. Então, por favor, avise-me assim que ela acordar.
Tuxedo Kamen entregou a Kero um cartão com um número de telefone.
– Entendido!
Kerberus gentilmente colocou Sakura sobre suas costas e saiu voando, deixando Sailor Moon e Tuxedo Kamen para trás.


Parte XIII
Alguns dias depois.
Sakura estava caminhando pela rua e Kero a seguia em seu ombro, fingindo ser um boneco de pelúcia quando haviam outras pessoas por perto.
– Ei, Sakura! Isso nessa cesta são bolos feitos pelo seu papai?
– Hum? Sim! Eu pedi para o papai fazer eles!
– Ahhh! Que delícia!! Então o que estamos esperando? Vamos comer!!
Kero avançou vorazmente em direção a cesta que Sakura carregava, mas ela o impediu de chegar mais perto.
– Não, não, não! Esses bolos são para a Usagi-chan! Combinei de me encontrar com ela no parque perto do distrito de Juban! Eles são um agradecimento por ela ter me ajudado no outro dia!
– Então eu não posso comer?
– Esses não! Mas tem mais alguns em casa, então você pode comer quando voltarmos.
– Obaaa!!
Assim, os dois seguiram andando até o local em que Sakura havia combinado de se encontrar com Usagi.
Quando estavam quase na metade do caminho, Kero tocou em um assunto um pouco mais delicado.
– Ei, Sakura. As cartas, elas ainda estão com as bordas escurecidas?
– Sim... Eu não sei o que fazer. Tentei falar com o Yue, com o Li e até mesmo com o Eriol, mas nenhum deles soube responder. Embora o Eriol tenha dito algo estranho quando falei com ele por telefone.
– O que ele disse?
– Ele disse que talvez ‘Ela’ pudesse ajudar.
– Ela? Mas quem é ela?
– Eu não sei. Parece que essa memória também não está clara para o Eriol, então ele não soube dizer mais nada além disso.
– Bom, por enquanto as Cartas ainda funcionam, então pode não ser um problema assim tão grande, mas isso ainda é preocupante. As cartas passaram muito tempo em contato com energia maligna.
– Sim, é verdade. Temos que encontrar uma solu—
De repente, Sakura se calou. Como se tivesse entrado em uma espécie de transe, seus olhos perderam o foco e ela começou a andar em uma direção completamente diferente.
– Sakura? Ei, Sakura? Para onde você está indo?
No entanto, Sakura não respondeu. Não é como se ela não quisesse responder, mas sim que ela não podia. Seu corpo estava sendo guiado por uma força muito maior do que a dela e mesmo que ela tentasse controlar seu corpo, ela simplesmente não conseguia.
A sensação era parecida com a que ela havia sentido alguns dias atrás, quando teve seu corpo possuído. Mas a força que a controlava era muito maior do que na outra vez.
Após andar por algumas quadras, Sakura finalmente parou diante de um lote vago e recobrou os sentidos.
– Sakura? Que lugar é esse? Por que você veio até este lote abandonado?
– Eu não sei... Onde estamos?
– Ora, o que uma jovem tão bela faz aqui?
Uma voz desconhecida os surpreendeu.
Virando-se, Sakura e Kero, que havia voltado imediatamente para sua forma de boneco de pelúcia, deram de cara com uma linda mulher. Ela era alta e seu corpo esbelto. O longo cabelo negro e o cachimbo que ela carregava davam a ela uma aparência madura e um certo ar sobrenatural.
– Ah, desculpe. Nós apenas paramos aqui por pura coincidência...
– Coincidência? Nesse mundo não existem coincidências, há apenas o inevitável.
– Hum? Essa frase... a Mizuki-sensei costuma dizer a mesma coisa.
– Nesse caso, acredito que ela seja uma pessoa sábia.
– Sim, ela é! Ah! Mas eu não deveria estar falando com estranhos! Desculpe, eu já vou indo!
– Não tenha pressa. Diga-me, por acaso há algo que a aflige, jovenzinha?
– Hum? Ah, sim... Mas não é nada demais.
– Todas as aflições possuem um significado. Acredito que você tenha vindo até aqui por uma razão, não é?
– Na verdade, eu estava indo me encontrar com uma amiga e acabei parando aqui sem querer. Foi apenas uma coincidência.
– Como eu disse, coincidências não existem.
A garota de cabelos pretos, Ichihara Yuuko, sorriu de forma misteriosa.
– Neste momento, você carrega muitas vidas com você, mas todas estão corrompidas por uma energia que não é natural a elas, estou certa?
– Hum? Sim, mas...
– Você não sabe o que fazer a respeito?
– Sim...
– Acontece, que neste exato momento, eu estou morrendo de vontade de comer um Mont Blanc, que acredito seja exatamente o que você tem nessa cesta, não é?
– Hã? Sim, mas como você sabe disso?
– Saber ou não saber não é o importante aqui, criança.
Yuuko deu uma baforada em seu cachimbo e soprou a fumaça. Esta, ao invés de se dissipar, como seria esperado, pareceu tornar-se mais e mais densa. A estranha fumaça flutuou em direção ao bolso de Sakura, no qual estavam guardadas as Cartas.
– Agora está tudo bem. Como pagamento, eu irei ficar com essa cesta.
Dizendo isso, Yuuko pegou a cesta que Sakura estava carregando.
Embora quisesse protestar, Sakura não conseguia abrir a boca. Em meio a surpresa e a admiração, ela levou a mão até o bolso e tirou de lá um jogo de cartas.
– As Cartas! Elas voltaram ao normal! O que aconteceu?
– Eu retirei a energia maligna que as impregnava. Agora está tudo bem. E este é o meu pagamento.
Yuuko levantou a cesta e a colocou ao lado de seu rosto sorridente.
– Eu a convidaria para um chá, mas ainda não é o momento para você ver o que há do outro lado. Aqui, leve isso para sua amiga. Afinal, ela também precisa receber seu pagamento.
Yuuko entregou a Sakura um único bolo dentre todos que estavam na cesta.
– Lembre-se do meu rosto e deste local, minha doce criança. Sinto que nos veremos de novo muito em breve.
Dizendo isso, Yuuko soprou fumaça mais uma vez, desta vez em direção ao rosto de Sakura.


Parte XIV
Sakura voltou a si de repente.
Ela havia perdido a consciência por um breve instante, mas ainda podia se lembrar do seu encontro com a linda mulher de cabelo negro.
– Ei, Kero. O que foi que aconteceu?
– Hum? Do que você está falando? Ei! Onde estão os bolos da Usagi-chan!?
– O que? Ah, aquela mulher de cabelo preto ficou com eles. Você não se lembra?
– Me lembrar do que!? Ah! Aposto que você aproveitou que eu estava dormindo para comer todos os bolos sozinha!! Você é uma egoísta, Sakura!!
– Você não se lembra do que acabou de acontecer?
– Eu já disse que não sei do que você está falando. E tomara que você vire uma baleia por comer sozinha todos aqueles bolos! E você só deixou um para a Usagi-san? Você é realmente uma monstrenga, Sakura!
– Quem você está chamando de monstrenga!!?
Apesar de aparentemente ter voltado a seu comportamento habitual, algumas coisas ainda pairavam na mente de Sakura.
(Quem era aquela mulher? Como foi que ela conseguiu curar minhas cartas? É estranho, mas pensar nela faz com que eu me sinta um pouco nostálgica... É realmente curioso. E ela disse que voltaríamos a nos encontrar em breve... O que será que isso quer dizer?)

Naquela tarde, Sakura se encontrou com Usagi e as duas conversaram por horas. Nos dias que se seguiram, muita coisa mudou na vida de ambas.
Usagi se encontrou diante de novos e poderosos inimigos, vencendo cada um deles com a ajuda de suas amigas, as demais Guerreiras Sailor, e seguiu seu caminho em direção ao futuro que a aguardava.
Sakura também viveu novas aventuras, marcados por alegres reencontros e tristes despedidas. Ela também voltou a se encontrar com a linda garota de cabelos negros, Ichihara Yuuko, mas essa é uma outra e instigante história.


Fim!


2 comentários:

  1. Meuu Deus!! Que fic maravilhosa ameiiii!!! Gente esse garoto teve muita imaginação, queria que isso realmente acontecesse no anime!
    Kissus!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço!! Eu realmente fiquei muito orgulhoso dessa fic. Sem dúvidas é a melhor que já escrevi!

      Excluir

Deixe os seus comentários mais parecido com o seu jeito,use os emoticons do AS e se divirta comentando...

Bjinhos :**

001   002   003   004   005   006   007   008   009   010   011   012   013   014   015   016   017   018   019   020